Nesta segunda-feira, 29, a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT), foi ao Senado Federal fazer a sua defesa no julgamento do processo de #Impeachment. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, teve a missão de organizar a casa. Antes mesmo da companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciar sua fala, ele avisou que o dia seria tenso, por isso, pediu que ninguém vaiasse a petista ou batesse palmas para ela. Durante o início das perguntas dos Senadores, Lewandowski teve um tique nervoso. 

Não foi a única vez que o homem que ainda faz linha de sucessão da presidência demonstrou nervosismo nesse momento histórico do país.

Publicidade
Publicidade

No entanto, dessa vez, as câmeras captaram bem o momento que o rosto de um dos mais respeitados juristas do país tremeu. É esperado que até quarta-feira, 31, a petista tenha o resultado de sua deposição sacramentado no Senado Federal. Para que ela seja deposta são necessários, no mínimo, 54 votos, dos 81 possíveis, ou seja, dois terços de todo o Congresso Nacional. São previstos pelo menos 60 votos contrários à petista. 

Quem também esteve nesse dia importante, acompanhando tudo de longe foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Enquanto Dilma discursava, lembrando períodos difíceis, como a ditadura e o câncer de mama, ele fazia o sinal das preces com as mãos. Ao lado do ex-líder sindical, quem estava meio sonolento era o cantor Chico Buarque, que durante os últimos meses fez defesa à Dilma em protestos ao ar livre.

Publicidade

Outra personalidade que até então não tinha dado as caras nesse momento final do impeachment foi o Senador Fernando Collor de Mello. Em 1992, há 24 anos, ele viveu o mesmo que a petista vive agora. Então presidente do país, Collor começou a responder ao processo de impedimento. No caso dele, ele preferiu renunciar ao cargo, mas não foi suficiente e Fernando perdeu os direitos políticos por oito anos. 

Veja abaixo o vídeo que mostra o momento que exibe o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF):

#Dilma Rousseff