O Senador Lindbergh Farias, eleito pelo Partido dos Trabalhadores (PT), deu mais uma declaração polêmica nesta terça-feira, 09, ao comentar a possibilidade de sua legenda ser extinta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com a coluna Radar, da Revista Veja, ele disse o seguinte sobre a atuação de Gilmar Mendes como Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Se cassar o registro do #PT não se poderá mais falar em democracia no Brasil, não existirá mais democracia no Brasil. Será como o cancelamento do registro do PCB em 1947", contou o homem que defende a presidente afastada #Dilma Rousseff

Réu na operação contra a corrupção

Gilmar tenta agora recolher provas para mostrar que o partido que elegeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva realmente cometeu diversos crimes eleitorais e que foi bancado com dinheiro de corrupção desviado da maior estatal do Brasil, a Lava-Jato.

Publicidade
Publicidade

A legenda de Rousseff já responde a diversas ações na Justiça, assim como seu próprio 'chefe'. Lula no mês passado passou a seu réu na operação comandada pelo juiz federal Sérgio Moro. Ele é acusado de tentar obstruir o trabalho do homem que recebeu o título de uma das cem personalidades mais influentes do planeta.

Legenda questionada na Justiça 

No domingo, 07, os Senadores e deputados do PT já haviam formulado um documento que reclama da atuação do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes. Na petição, eles dizem que o magistrado está escancarando que é um representante da direita brasileira. O Ministro também nessa semana assinou um documento que pediu explicações a Dias Tóffoli questionando o que teria acontecido com alguns documentos do processo que pode levar a extinção da legenda que colocou dois presidentes no poder. 

Quem também tem tentado escapar da Justiça é o próprio Lula, dizendo à Organização das Nações Unidas (ONU) que o trabalho de Moro não está pautado na lei e que ele estaria fazendo uma pressão contra o magistrado que é referência para os brasileiros.