O senador Lindbergh Farias anunciou na manhã dessa quinta-feira, 25, que enviará para a Procuradoria-Geral da República, um pedido de afastamento de #Michel Temer. O argumento utilizado pelo parlamentar, são as possíveis delações em que o nome de Temer é citado. Para Lindbergh, alguém citado em delações não pode ficar na presidência da república.

Após sua fala, o senador Magno Malta o rebateu e citou as gravações de Lula, Jaques Wagner e Aloisio Mercadante. O senador foi interrompido por Gleisi Hoffmann, que por sua vez, foi impedida de falar pelo presidente do STF e que preside o julgamento de Dilma Rousseff, Ricardo Lewandowski, sendo sinalizada que deveria aguardar a sua vez.

Publicidade
Publicidade

Como não cabia contradita para Gleisi, mas em respeito ao artigo 14 do regimento interno, Lewandowski permitiu que ela respondesse ao senador, caso tenha se sentido ofendida com as palavras do colega. Gleisi demonstrou insatisfação com Magno, virou-se para os colegas do plenário e começou a gritar que ninguém lá dentro tinha moral para julgar Dilma Rousseff. A atitude da senadora gerou revolta nos parlamentares, ocasionando tumulto e discussões.

Lewandowski pediu que os senadores ficassem calmos, mas diante da situação que o plenário se encontrava, o presidente do Supremo achou melhor suspender a sessão por cinco minutos. Após a pausa, Aécio Neves começou a discursar.

Delações premiadas

Apesar do senador, #Lindbergh Farias, ter dito que um presidente envolvido com delações não pode ficar na presidência do país, o parlamentar defende a volta de Dilma para o governo.

Publicidade

Entretanto, Rousseff já foi citada em mais de uma delação, sendo que recentemente foi denunciada juntamente com Lula, Mercadante e Cardozo, sob a acusação de tentar obstruir as investigações da operação Lava Jato.

Dilma também foi acusada pelo delator, Delcídio do Amaral, ex-senador do PT, de saber e usufruir do esquema de corrupção da Petrobras. Dilma nega as acusações. Lula é apontado pelos delatores como o líder do Petrolão. Apesar do aliado de Dilma e ex-presidente da república negar as acusações, a polícia federal deve indiciá-lo em breve pelo esquema, conforme informações divulgadas pela revista Época. #Senado Federal