Nessa quarta-feira, 10, o ex-presidente da república, Luís Inácio #Lula da Silva, participou de uma reunião partidária em Brasília, com deputados e senadores. Lula admitiu que as chances de Dilma Rousseff retornar ao cargo são remotas e por isso os parlamentares do partido precisavam se preparar para voltar a ser oposição ao governo.

Lula também pediu que os deputados e senadores não desanimem e se unam para atuarem contra as propostas que forem feitas pelo governo de Michel Temer, desde que estas venham a colocar em risco as conquistas sociais do partido.

A reunião contou com trinta e cinco parlamentares, dentre eles, Gleisi Hoffmann, Fátima Bezerra, Lindbergh Farias, Jorge Viana e Arlindo Chinaglia.

Publicidade
Publicidade

Todos concordaram com o líder do partido dos trabalhadores, que por sua vez disse estar otimista com os resultados obtidos em sua viagem para o nordeste. Segundo Lula, é possível recuperar a credibilidade do partido e evitar que o mesmo continue sendo criminalizado pela oposição.

Lula responsabiliza Dilma pelo iminente #Impeachment

Lula atribuiu parte da culpa do impeachment à Dilma Rousseff. Segundo ele, Dilma precisava ser mais ativa e conversar com os senadores pessoalmente para persuadi-los a votar contra a sua saída, mas ela não o faz. Segundo o deputado Vicente Candido, Lula não acredita em grande efeito da carta que Dilma tem prometido enviar aos senadores, pois ela demorou demais para fazê-lo.

Já Humberto Costa, ex-líder do governo no Senado Federal (cargo ocupado recentemente por Lindbergh Farias), Dilma precisa se aproximar dos senadores para tentar reverter os votos que recebeu pelo impeachment.

Publicidade

Para os petistas, Dilma precisa estar aberta ao diálogo com os senadores, a fim de se obter um resultado positivo, mas desde que foi afastada, ela não se aproximou dos parlamentares.

Rui Falcão, presidente nacional do PT, deixou claro que o partido não desaparecerá com o impeachment de Dilma e se ela sair, farão oposição ao governo, como era antes de Lula se tornar presidente. #Michel Temer