Nesta segunda-feira, 29, durante quarenta e cinco minutos, a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), fez o seu discurso chamado de "despedida" no Senado Federal. Para a maior parte dos analistas, a longa fala pode ter sido a última da petista ainda como presidente. Isso porque existe a expectativa para que até quarta-feira, 31, os Senadores votem pela deposição da primeira mulher eleita do país. Dilma teve direito de levar 35 convidados até o Senado. Os mais célebres foram focalizados algumas vezes. Eram eles o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva e o cantor e compositor Chico Buarque. 

Lula virou o preferido das câmeras.

Publicidade
Publicidade

Visivelmente nervoso, ele por alguns minutos arrancava os pelos da barba enquanto aparecia com os olhos marejados de lágrimas. Em outro momento, o ex-líder sindical fazia uma prece com as mãos. Já o cantor Chico Buarque parece que se desacostumou a acordar cedo. Ele bocejava e até esfregava os olhos, mostrando certo sono e cansaço. O nome dele entrou na lista vip da petista no sábado, 27, quando o texto da defesa de Rousseff começou a ser fechado. Um dos últimos confirmados foi justamente o próprio Lula. 

Além da presidente afastada, a Oposição também teve direito de chamar os mesmos 35 convidados. Foram convocadas pessoas e entidades que durante o último ano ajudaram a protestar nas ruas durante o processo de #Impeachment. Do lado de fora do Senado Federal, ainda pela manhã, apenas um grupo pequeno de militantes esperava pela chegada de Rousseff.

Publicidade

Existia a expectativa para que ela fizesse um discurso para os pouco mais de 1000 manifestantes antes de ir para o Congresso Nacional, ou pelo menos passasse perto de carro e desse tchauzinho para os militantes, coisa que não aconteceu. 

Durante seu discurso, Dilma chegou a se emocionar pelo menos duas vezes. Em uma delas, a petista falou sobre o regime militar, quando diz ter sido torturada durante o tempo em que ficou na prisão. A segunda vez foi durante a lembrança do câncer.  #Dilma Rousseff