A publicação americana 'Wall Street Journal' perdeu a paciência e decidiu criticar veementemente o ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). O artigo publicado neste domingo, 07, já começa chamando #Lula como o grande "enganador" do mundo. O jornal cita que por enquanto os jogos olímpicos do Rio de Janeiro começaram sem grandes problemas, mas que o período anterior a eles foi bastante sombrio. Em seguida, a publicação diz que dificilmente a Rio 2016 passará sem uma grande catástrofe e se isso ocorrer será um grande milagre. 

O jornal então lembra que quando Lula ajudou o Brasil a vencer a candidatura à Olimpíada, no ano de 2009, o Brasil tinha uma saúde financeira razoável.

Publicidade
Publicidade

Hoje o país tem inflação de 10% e o deficit do governo já beira 8% do Produto Interno Brasileiro (PIB). A publicação diz que tudo isso foi motivado pela corrupção e pelos inúmeros escândalos políticos no qual a legenda acabou se metendo. O 'Wall Street Journal' volta a dizer que o petista enganou o mundo com seu discurso retórico, fazendo muitos acreditarem que ele seria um homem diferente de Hugo Chavez, por exemplo. As previsões eram as melhores possíveis. A cidade de São Paulo, por exemplo, seria a quinta mais rica do planeta até o ano de  2025. Tudo "mudou". 

Fraude que merecia ser crime e a verdade revelada

A publicação continua batendo pesado nos petistas, dizendo que pelo socialismo que o #PT pregava o Rio agora deveria ser forte em igualdade social e transporte público de qualidade, mas que os políticos da esquerda conseguiram ser os piores do mundo, esquecendo do próprio povo e olhando para eles mesmos.

Publicidade

O jornal termina dizendo que Lula e Dilma mereciam ser presos se a fraude fiscal na política fosse considerada crime no Brasil. Em seguida, o veículo americano revela que o ex-líder sindical está sendo enquadrado como réu na Operação Lava-Jato, por ter tentado obstruir as investigações comandadas pelo juiz federal Sérgio Moro.