O ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, está sob investigação por supostamente ser beneficiado em um esquema de propina maciça da #Petrobras, uma das maiores corporações do país. #Lula era líder do Partido dos Trabalhadores (PT) durante grande parte do período em que ocorreu o suborno em larga escala na Petrobras.

A petição foi assinada por advogados de Lula e pelo advogado britânico de direitos humanos, Georffrey Robertson, alegando que o juiz Sergio Moro violou o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, negando a Lula o direito a um julgamento justo, à liberdade de detenção arbitrária e direito à privacidade. O ex-presidente alega dois casos de violação de seus direitos.

Publicidade
Publicidade

Lula afirma que Sérgio Moro permitiu a Polícia Federal obrigá-lo a prestar depoimento, apesar de ter cooperado anteriormente com a investigação da Justiça. Moro também lançou fitas de áudio de uma conversa telefônica entre Lula com a presidente Dilma Rousseff, ato que Robertson caracterizou como uma violação dos direitos internacionais pertencentes a Lula.  

"Lula deve ter um juiz que não seja influenciado por sentimentos públicos", disse Robertson, de Londres, em uma teleconferência com jornalistas.

A petição de 39 páginas ataca o juiz federal, Sérgio Moro, que preside a maioria dos casos na investigação da Petrobras e que ordenou a prisão de dezenas de executivos da construção de alto nível nos últimos anos.

"Lula é uma vítima de abuso de poder por um juiz, com a cumplicidade dos procuradores e dos meios de comunicações", disse a petição.

Publicidade

Em novembro, a mais alta corte do Brasil ordenou a prisão de André Esteves, presidente-executivo do maior banco de investimento do país, e de Delcídio do Amaral, um poderoso senador do partido do governo do país, ambos acusados ​​de suborno e corrupção afiliada à Petrobras.

A  sucessora de Lula como presidente nacional, Dilma Rousseff, está atualmente suspensa do cargo enquanto  aguarda uma audiência de impeachment, em meio a acusações relacionadas a manipulações de contas públicas para fins políticos.