O presidente da #Venezuela, Nicolás Maduro, não está gostando nadinha da postura do Brasil querer o país de esquerda bem longe da presidência do Mercosul. Nesta terça-feira, 16, ele usou o seu programa na TV estatal para fazer graves críticas à política brasileira, criticando o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, mas principalmente o Ministro das Relações Exteriores, José Serra, do PSDB. Maduro diz que nada nem ninguém tirará o país dele do poder, pois isso seria um direito adquirido da Venezuela no maior bloco econômico da América do Sul. A declaração veio depois que o Uruguai chegou a acusar o Brasil de tentar comprar votos a seu favor no Mercosul.

Publicidade
Publicidade

A acusação sem provas também gerou um incidente diplomático entre os países.

Maduro aproveitou a denúncia do Uruguai, que foi realizada pelo chanceler Rodolfo Nin Novoa, para tentar desqualificar o trabalho do tucano Serra. Ele disse que o Ministro estaria provocando um escândalo continental. O único objetivo de Serra, de acordo com o presidente da Venezuela, seria tentar tudo para evitar que o seu país dirigisse o bloco. Nicolás disse que o Ministro brasileiro estaria agindo financiado por empresários da direita. Maduro ainda aproveitou a denúncia para fazer política interna, lembrando que seus opositores querem apoiar o governo que hoje está interinamente nas mãos de #Michel Temer

Não é só o Brasil que não concorda com a presença da Venezuela na presidência do bloco econômico, mas diversos membros de países do Mercosul.

Publicidade

"A direita foi ao governo ilegal e ilegítimo do Brasil, golpista, [pedir] para que se voltassem contra o povo", disse #Nicolás Maduro, novamente defendendo a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). O presidente disse que faria tudo o que fosse possível para evitar essa estratégia do governo brasileiro.

É bom lembrar que a Venezuela vive uma das suas maiores crises econômicas e políticas da história, sendo o país com a maior inflação de todo o planeta, que leva fome à população.