O senador #Magno Malta fez um discurso inflamado na noite dessa terça-feira, 30. Magno citou os crimes cometidos pelos investigados petistas e falou que as pessoas tratam Lula como se ele tivesse descoberto o Brasil, quando na verdade, pegou o país em uma fase que colhia os frutos das políticas implantadas no governo de Fernando Henrique.

Também comentou que Deus deu um livramento para Aécio Neves quando ele perdeu a eleição de 2014, pois a culpa sobre toda a crise econômica desencadeada por Dilma, recairia sobre ele. Magno também afirmou que o Brasil não aguenta mais ver os filhos de Lula aproveitando uma vida confortável sem nunca ter trabalhado, bem como desafiou aqueles que chamam a oposição de golpistas.

Publicidade
Publicidade

Malta afirmou que podem chamá-lo de golpista, mas não de ladrão e que o PT não tem mais moral para ser oposição, uma vez que sua força acabou quando sua moral desapareceu. Ainda perguntou aos colegas: “O que é ser golpista? É não levar marmitex para preso do PT no presídio!”

Durante a exposição de algumas frases sarcásticas, o senador arrancou risos de Ricardo Lewandowski, Janaína Paschoal, Miguel Reale Junior e Aécio Neves. O senador também tentou cantar uma música ao término de sua fala contra o governo, mas foi interrompido pelo presidente do Supremo.

Além de Magno, Ronaldo Caiado, José Medeiros e Aécio Neves deixaram os colegas satisfeitos em seus discursos contra o governo de Dilma. Lewandowski anunciou, antes da pausa para o jantar, que as discussões devem se encerrar por volta das 2h30 da manhã.

Publicidade

A sessão para votação do #Impeachment ainda não tem horário definido, mas Lewandowski devera anunciá-la para 11h ou 12h de amanhã.

Destaque dos debates no Senado Federal

Pela manhã, Janaína Paschoal e Miguel Reale Junior fizeram seus discursos. Janaína chorou e pediu desculpas para a presidente afastada, alegando que, embora não tenha sido seu objetivo, acabou causando sofrimento. Também mostrou expectativa de que um dia Dilma entenda que o impeachment, foi pelo bem dos netos da presidente.

José Eduardo Cardozo, advogado de Dilma, acabou chorando quando saiu para o almoço. Diante das câmeras de diversos meios de comunicação, afirmou que Janaína foi injusta e que jamais deveria ter usado os netos de uma mulher inocente para justificar a sua condenação. As imagens do advogado e ex-ministro chorando repercutiram internacionalmente. #Senado Federal do Brasil