Marisa Leticia #Lula da Silva e Fábio Luis Lula da Silva, esposa e filho do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva foram parar na Polícia Federal nesta semana. De acordo com informações de bastidores, eles teriam ficado calados ao darem depoimento a agentes, quer dizer, não dar, né, já que nada falaram. O temor de ambos seria dizer algo comprometedor. A dupla foi chamada para explicar o que aconteceu com o sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. Eles foram questionados se a propriedade é mesmo ou não deles. Os investigadores da Lava-Jato acreditam que o sítio é mesmo da família do presidente, que teria omitido a propriedade das declarações do Imposto de Renda. 

O imóvel está nos nomes dos sócios de Lulinha, filho do companheiro político da presidente afastada #Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Não é a primeira vez que a família do ex-líder sindical é chamada para tentar se explicar sobre o espaço usado para descansar e passar férias. Até os pedalinhos do sítio tem os nomes dos netos do político. O petista explicou que apenas usa o local porque esse é de amigos, assim como acontece com um jatinho. Outro imóvel que é investigado é um Tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo. Depois de também negar ser dona da propriedade, a família do político pediu R$ 300 mil de volta por um "sinal" que seria usado para a compra do apartamento. 

Também recentemente Lula passou a ser réu oficialmente na Operação Lava-Jato. A decisão partiu de um juiz de Brasília, que considerou que o político tentou atrapalhar o andamento das investigações conduzidas pelo juiz federal Sérgio Moro. A medida foi efetuada depois que o petista entrou com um petição na Organização das Nações Unidas (ONU) contra o trabalho de Sérgio Moro.

Publicidade

Lula alegou que o magistrado que ganhou o título de uma das cem personalidades mais influentes da revista Time estaria agindo ilegalmente e o perseguindo. O objetivo do juiz, segundo os advogados do ex-líder sindical, seria evitar que o político voltasse a se candidatar à presidência em 2018.  #PT