Nesta quarta-feira, 03, a Coluna Esplanada, do UOL, decidiu se defender sobre acusações de que teria inventado uma história envolvendo uma acusação de tentativa de estupro supostamente feita pelo deputado federal Marco Feliciano, eleito pelo PSC de São Paulo. Jornalistas do site divulgaram um áudio em que a mulher dá detalhes sobre o  que teria acontecido entre ela e o parlamentar. O material tem quase trinta minutos de duração e pode ser ouvido através de um player incorporado ao final desta reportagem. 

A polêmica envolvendo Feliciano começou no início desta semana, quando uma militante conhecida do PSC, mas que a pedidos não teve o nome divulgado, decidiu pedir ajuda através de um repórter da Coluna política.

Publicidade
Publicidade

A mulher já tinha relatado o que diz ser assédio sexual cometido por Feliciano a duas testemunhas e repetiu basicamente a mesma história principal ao UOL. O Testemunha pode ser melhor observado através do UOL. 

As conversas com a mulher começaram no dia 24 de junho. Ela tem 22 anos e chegou a dizer que faria um boletim de ocorrência sobre o caso. Além do áudio, a 'Coluna Esplanada' divulgou o que a acusadora diz ser conversas pelo WhatsApp com Feliciano. O portal de notícias confirmou com assessores do político que o número telefônico que aparece nas mensagens seria mesmo do deputado federal acusado. 

A garota agora diz que a reportagem mente, mas os jornalistas gravaram todas as provas manifestadas por ela. Em vídeos, ela decidiu recuar e dizer que o parlamentar jamais faria isso. Outra publicação mostra a ex-acusadora dizendo que tudo foi criado pela esquerda.

Publicidade

Antes, ela chegou a dizer que sua fanpage, que teria 200 mil seguidores, acabou sendo misteriosamente retirada do ar. 

O deputado negou a história contada pela mulher e disse que acionará seus advogados para protegerem sua índole e moral. Além disso, Feliciano argumentou que não falaria mais sobre o assunto. 

Ouça abaixo o áudio com o depoimento da mulher dado ao portal de notícias UOL e tire suas próprias conclusões:

#Governo #Crime