Sérgio Moro, responsável por conduzir a Lava Jato, não aceitou o pedido protocolado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, em que foi requerida a sua declaração de incompetência para julgar o petista. O juiz, em um despacho nesta terça-feira (16), respondeu aos questionamentos afirmando que possui competência suficiente para julgar Lula. Uma reportagem da revista Veja revelou que a deliberação de Moro conta com seis páginas em que julgou ser "inadmissível" a relação de "exceções de incompetência" dos representantes do petista.

As evidências confirmam que o choque entre Lula e Moro está cada vez mais intrigante.

Publicidade
Publicidade

Tudo começou na época da operação Aletheia, uma das fases dos desdobramentos da #Lava Jato, quando o juiz determinou que Lula fosse conduzido de forma coercitiva para depoimento pessoal e sigiloso.

Na sequência, houve a publicação dos grampos realizados no telefone celular de Lula, em decorrência de autorização judicial despachada por Moro. As conversas eram de caráter comprometedor e contaram com a participação de várias autoridades, inclusive ministros e a própria presidente afastada Dilma Rousseff. O conteúdo repercutiu em todo o país, alcançando os noticiários internacionais.

Desde então, os advogados de defesa do ex-presidente tentam, incansavelmente, retirar das mãos de Sérgio Moro os autos vinculados à Lava Jato em que Lula aparece. A preocupação é tanta que, por diversas vezes, os advogados protocolaram pedidos no Supremo Tribunal Federal, alertando que Moro não consegue agir com imparcialidade, sendo ele um "juiz acusador".

Publicidade

Além disso, a defesa de Lula, em última solicitação, direcionou ao próprio juiz um pedido em que propôs o reconhecimento espontâneo de sua incompetência para o julgamento de seu cliente. Moro, com tranquilidade, analisou e indeferiu, considerando "prematura" e a alegação de exceção de incompetência, já que Lula ainda não se tornou réu da Lava Jato, está apenas sendo investigado. Portanto, até o momento, o ex-presidente foi apenas indiciado, afirma a revista Veja.

Desta feita, a acusação contra o ex-presidente baseia-se em seu envolvimento com as construtoras que participavam dos pagamentos de vantagens indevidas (propinas), nas dependências da Petrobras, e há suspeitas de que Lula tenha recebido tais montantes. #Sergio Moro