Parece que o jogo virou. De acordo com informações da Coluna Esplanada em matéria publicada nesta sexta-feira, 12, a jornalista Patrícia Lélis, que faz graves acusações contra o deputado federal Marco Feliciano, eleito pelo PSC de São Paulo, pode agora ser presa. Isso porque o delegado Luís Roberto Hellmeister já está avaliando fazer a prisão preventiva da jovem após depoimentos falsos dela serem descobertos. Ela chegou a acusar, por exemplo, o assessor do gabinete de Feliciano, Talma Bauer, de tentativa de estupro. No entanto, a Polícia descobriu vídeos que provam que ela não foi mantida em cárcere privada. 

A maior prova contra Patrícia foi um vídeo gravado em que ela aparece negociando o próprio silêncio.

Publicidade
Publicidade

Além disso, no dia em que Lélis diz ter sido colocada em cárcere privado, ela, na verdade, estava em um shopping comprando maquiagens. A conta foi registrada por vídeo no estabelecimento e a maquiagem teira custado R$ 700. Após o encontro com Bauer, a ex-militante do PSC chegou a gravar uma publicação inocentando Feliciano. Questionada como fez isso e ao mesmo tempo agora o acusava, ela disse que foi obrigada.

Alguns veículos de comunicação chegaram a divulgar conversas pelo WhatsApp que seriam da jovem com o pastor político. Algumas mensagens tinham conteúdo erótico. Um site divulgou o que seriam supostas nudes da mulher que está abalando a política brasileira. A ex-militante agora tem evitado dar declarações na imprensa para não se comprometer. A prisão preventiva dela não pararia as investigações, já que elas são muito sérias.

Publicidade

Patrícia diz que o deputado tentou agarrá-la em um apartamento funcional em Brasília. Ela disse até que Marco teria usado uma faca, ameaçando matá-la, caso ela não aceitasse ser sua amante. 

Em um vídeo publicado ao lado da mulher, Feliciano diz que é inocente e que tem provas para comprovar isso. Ele informou que todo o material seria enviado à Justiça e que ele provaria que não é culpado. O político disse também que irá processar a mulher por calúnia.  #Marco Feliciano #Governo