O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, disse nesta terça-feira, 23, algo que todos já sabiam, que a Venezuela não é uma democracia. Governado por Nicolás Maduro, que recebeu o poder do falecido Hugo Chávez, o país foi chamado de regime tirano pela entidade. A mesma organização pediu explicações ao Brasil sobre o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). José Serra classificou o papel da OEA como "besta" nos últimos tempos.

A proclamação do fim da democracia foi tratado em tom de piada na internet. A carta do representante da Organização dos Estados Americanos foi endereçada ao opositor do regime chavista, Leopoldo López.

Publicidade
Publicidade

Ele foi condenado sem qualquer prova apenas por dar sua opinião contra uma gestão que está fazendo da #Venezuela um dos países com maior inflação do planeta, chegando aos três dígitos. Além de tudo ser caro e mudar de preço o tempo todo, não há o que comprar nos supermercados e farmácias, o que faz o povo daquele país passar horas cruzando fronteiras em busca de alimentos. Na fronteira com o Brasil, muitos chegam abarrotados de notas, já que o dinheiro local é extremamente desvalorizado. 

Almagro esclarece que hoje qualquer pessoa que tentar exercer um direito político na Venezuela pode ser presa, ou seja, não existe a liberdade fundamental da humanidade. No texto, o representante da OEA ainda chama o preso político de amigo. O político fala ainda que a comunidade internacional não tem mais qualquer dúvida sobre o que acontece naquele país. 

Enquanto aparece a declaração, Maduro anuncia que irá demitir qualquer funcionário que for contra seu governo.

Publicidade

Ele deu 48 horas para fazer as exonerações. A determinação chocou até quem já conhece a tiraria do presidente venezuelano. 

Por essa e por outras, o Ministro das Relações Exteriores, José Serra, do PSDB, diz que irá impedir que Maduro presida o Mercosul, dizendo que seu país não tem mais hoje qualquer capacidade de cuidar de si mesmo.  #Nicolás Maduro