A jornalista Cláudia Cruz surpreendeu. Mulher do deputado federal #Eduardo Cunha, do PMDB, ela entrou com um recurso na Justiça Federal de Curitiba, no Paraná, dizendo que não tem culpa das movimentações de dinheiro que foram feitas no exterior. Segundo a profissional da mídia, a culpa de tudo isso é do marido. Os dois são investigados pelo juiz federal Sérgio Moro,  que comanda a #Lava Jato. Os gastos estranhos do casal incluem movimentações em países como Estados Unidos e França. A informação foi confirmada nesta quarta-feira, 17, pelo site da Revista Veja. Cláudia alega agora que toda a responsabilidade das contas é do ex-presidente da Câmara dos deputados, que acabou renunciando ao cargo. 

Cláudia ainda pede que os depoimentos das testemunhas sobre o caso sejam ouvidos.

Publicidade
Publicidade

O objetivo dela é provar que ela não tem nada com as contas milionárias de Cunha. Por isso, devem ser ouvidas empresas offshores e instituições de banco. O jeito como Cruz tem se pronunciado chamou a atenção de todos. Nos bastidores de Brasília já dizem que o inimigo mora ao lado. No entanto, o próprio Eduardo tem tentado defender a esposa e a filha, evitando que elas possam, por ventura, serem presas por Sérgio Moro. A jornalista ainda reforça a ideia de que não irá fugir do país e pede para que seu julgamento aconteça no Rio de Janeiro, estado onde ela e Eduardo tem residência. 

É bom lembrar que diferente do marido, Cláudia não tem foro privilegiado, por isso, ação de Sérgio Moro contra ela tende a ser mais rápida. Já Eduardo pode sempre apelar ao Supremo Tribunal Federal (STF), que costuma ser mais lento, Mesmo não estando em seus dias mais áureos, o deputado ainda tem bastante influência na política brasileira.

Publicidade

Prova disso é que a presidente afastada Dilma Rousseff será julgada primeiro do que Cunha, que responde à um processo de cassação na Câmara dos deputados. 

Cunha é considerado o algoz da  representante do Partido dos Trabalhadores, que para ser deposta precisa contra ela de 54 votos ou mais dos Senadores.