Nesta quarta-feira, 17, a jornalista Patrícia Lélis, que acusa o deputado federal Marco Feliciano, do PSC, de tentativa de estupro, foi entrevistada ao vivo pela apresentadora Luciana Gimenez, no 'SuperPop', programa exibido pela RedeTV!. Vídeos sobre o caso foram exibidos. Um especial chama a atenção, mostrando uma suposta negociação entre Lélis e o chefe de gabinete de Feliciano. Investigadores suspeitam que ela estava tentando coagir o político para conseguir o silêncio dele. Patrícia, que se intitula como evangélica e ex-militante do #PSC, argumenta que o vídeo teria sido editado e que ele não mostraria a verdade completa. 

Gimenez então começou a ficar incomodada com o fato do tempo todo a jornalista se contradizer e colocar culpa em outras pessoas, na mídia e até na Polícia pelos pontos estranhos do caso.

Publicidade
Publicidade

"Em nenhum momento você ficou com medo? Porque, como assim? Você conhece todo mundo, diz que todo mundo está contra você e está aqui. De duas uma, ou você é mentirosa, ou da KGB", disse a comunicadora citando o órgão espião da extinta união soviética. Após as diretas de Luciana, Patrícia disse que só falaria através de sua advogada e um intervalo comercial foi chamado às pressas. 

A advogada disse então que estava há apenas 24 horas no caso e que estava confrontando muitas provas que teriam sido apresentadas por #Marco Feliciano. A jurista foi identificada pela RedeTV! apenas como Rebeca. Segundo ela, existe uma representação ao Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para que ele peça ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de um inquérito contra o deputado federal. Por ter foro privilegiado, Feliciano só pode ser investigado com a autorização do Supremo. 

Luciana Gimenez deixou claro que o caso estava muito confuso e mostrou um vídeo de um dos advogados do político, dando outra versão sobre o caso.

Publicidade

Feliciano já havia feito uma publicação na qual se diz inocente e que tem total apoio de sua família e do partido para vencer mais essa acusação em sua carreira política.