Na segunda-feira (8), parlamentares do PT, PCdoB e Rede, solicitaram o pedido de afastamento de #Michel Temer do cargo de Presidente Interino, sob a alegação de que o ex-vice da presidente afastada Dilma Rousseff está tirando vantagens da função que exerce, provisoriamente, a fim de evitar investigação por denúncias que envolvem o seu nome.

O documento protocolado hoje, 16 de agosto, foi assinado pelos senadores do PT, Lindbergh Farias, Fátima Bezerra, Vanessa Grazziotin, pelo senador da Rede-A Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e pelos deputados Henrique Fontana (PT-RS), Afonso Florence (PT-BA) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Recentemente, veio a público, através da delação de Marcelo Odecrecht na Operação Lava Jato, que Temer recebeu dinheiro de propina, o que resultou na alegação de que a conduta de Temer está orientada a obtenção de imunidade processual ou irresponsabilidade penal, devido a leis que não permitem investigação contra o presidente da República em casos anteriores ao seu mandato.

Publicidade
Publicidade

O fato de Temer ter ocupado o cargo de presidente do PMDB também consta no documento, na qual solicitam que ele deve sofrer investigação por ações que possam ter beneficiado o partido. 

Temer Presidente X Operação Lava Jato.

Não é de hoje que se especula que Michel Temer quer "calar" a operação Lava Jato. Os rumores surgiram a partir do interesse dele de manter o #Impeachment da presidente afastada Dilma Roussef.

Na delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, houve denúncias envolvendo o escândalo na BR Distribuidora e outra envolvendo a indicação de Jorge Zelada para ocupação do cargo de diretor internacional da Petrobras.

Outro depoimento dado a Lava Jato envolvendo o parlamentar foi feito pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que afirmou ter ouvido de Michel Temer um pedido R$ 1,5 milhão para  financiar a campanha de Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo, em 2012.

Publicidade

Ele ainda afirmou que o pagamento solicitado foi feito através de doação eleitoral, pela Queiroz Galvão.

Recentemente, veio a público, por conta da delação premiada de Marcelo Odebrecht, que Temer estaria envolvido no repasse de R$10 milhões de reais, pago em dinheiro ao PMDB, em 2014. Esta quantia, proveniente de pagamento de propina, teria sido repassada em espécie ao presidente interino durante um jantar no palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente em maio de 2014. #Dentro da política