O juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava-Jato, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná, participou de uma audiência pública nesta quinta-feira (04) em uma Comissão instalada no Congresso Nacional, que debate projeto de lei com medidas mais eficazes de combate à #Corrupção no Brasil. Sérgio Moro é responsável pela maior operação da Polícia Federal e Ministério Público, que implementou uma série de investigações que buscam desvendar um esquema criminoso de corrupção envolvendo distribuição de propinas oriundas dos cofres públicos da Petrobras, considerada a maior estatal brasileira.

Publicidade
Publicidade

Durante as argumentações na Comissão da Câmara que pretende alavancar a aprovação das medidas de combate à corrupção sistêmica no Brasil, sugeridas pelo Ministério Público Federal, o juiz paranaense enfatizou que é contra o chamado "foro privilegiado", que protege autoridades detentoras de mandatos políticos, de serem propensos a julgamento a partir de juízo de primeiro grau, se envolvidos em crimes de corrupção. Ele também respondeu a diversos questionamentos de parlamentares presentes na audiência pública realizada na manhã desta quinta-feira (04).

Juiz rebate comentário de petista

Em um dos questionamentos na Comissão, o juiz foi alvo de críticas do deputado federal do PT, Wadih Damous, que comparou o magistrado a "juízes celebridades", em alusão ao alcance das investigações da Lava-Jato e consequentemente, ao enorme apoio popular conquistado por Sérgio Moro.

Publicidade

Segundo figuras ligadas ao PT, o juiz violou direitos de réus e pessoas investigadas ligadas à agremiação petista. Ao responder aos comentários e comparações de Damous, Sérgio Moro foi contundente: "não tenho a intenção de ser visto como um profeta, já que o projeto é uma iniciativa do Ministério Público. Eu defendo ele, porém, sem nenhuma pretensão salvacionista", ressaltou o magistrado.

A audiência realizada foi tão somente a primeira que discute pacotes de medidas que possam tornar muito mais difícil a prática de crimes relacionados à corrupção no País. As 10 medidas propostas pelo MPF angariaram o apoio de mais de 2 milhões de eleitores brasileiros, entretanto, para que o projeto se torne lei, o caminho a percorrer ainda é longo. #SérgioMoro #Lava Jato