Mais de trezentas pessoas, dizendo-se manifestantes pela democracia, invadiram nesta segunda-feira, 22, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. De acordo com o site 'Folha Política', os que protestavam eram dos grupos Movimento Brasileiro dos Sem Terra, o MBST, e da Frente Nacional de Luta, FNL, um grupo criado justamente para fazer uma defesa à presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Por conta da invasão, que aconteceu ainda na parte da manhã, os servidores precisaram chamar a Polícia Militar para dar um jeito na situação. Começou então o trabalho de convencimento para que o grupo deixasse o local. 

Fotos publicadas pelo portal que cobre a política brasileira mostram que o grupo teria quebrado as janelas do Ministério para entrar no local.

Publicidade
Publicidade

Além disso, outras imagens mostram a bagunça que foi feita pelos petistas em seu protesto dito democrático. Armários foram quebrados e nos sexto e sétimo andares foram fixadas bandeiras fazendo referência aos próprios movimentos, à presidente afastada e ao interino que está no poder, Michel Temer, chamado de "golpista" e "usurpador" pelo grupo, que se diz lutar pelos movimentos sociais. Os manifestantes alegam que Michel Temer que assumir o poder para retirar os direitos dos pobres. 

Além de serem contra Temer e pedirem uma milagrosa reviravolta no processo de impeachment, os pouco mais de 300 invasores pediram ainda para que uma proposta de reforma agrária fosse rapidamente votada no Congresso Nacional. Houve também a solicitação de mais benefícios para os trabalhadores do campo. É bom lembrar que o #PT ficou 14 anos no poder e tais reformas reclamadas pelos movimentos sociais não foram efetuadas da forma como eles queriam. 

Neste domingo, 21, a presidente afastada #Dilma Rousseff deu uma entrevista ao jornalista Roberto Cabrini, do 'Conexão Repórter', do SBT.

Publicidade

Na conversa, ela apareceu com um discursos muito duro e, por vezes, irritada. Ao profissional, ela negou que fosse renunciar, argumentando que não cometeu crime.