Nesta sexta-feira, 13, a seleção feminina do Brasil teve uma grande disputa contra a da Austrália no estádio do Mineirão, em Minas Gerais. Enquanto Marta e companhia ganhavam por pênaltis em um jogo dramático, torcedores viviam um drama pessoal. Alguns se dividiam nas arquibancadas para se manifestar contra o presidente em exercício #Michel Temer, do PMDB, enquanto outros decidiram gritar mais alto e falar mal da maior emissora de televisão do país, a Rede Globo. Um grupo de manifestantes chegou a erguer um cartaz contra o canal, mas rapidamente foi impedido por uma pessoa que trabalhava no estádio. 

Um homem usando um colete do Comitê Olímpico internacional pediu que os torcedores parassem o protesto.

Publicidade
Publicidade

Do contrário, eles seriam retirados do Mineirão. O grupo então lembrou que uma liminar judicial permitiu que se fizessem protestos políticos nos jogos, sejam eles contra que governo for, o de Temer ou o da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). O funcionário que trabalha para as Olimpíadas então disse que eles poderiam protestar contra Temer, pois estavam amparados pela lei, mas que contra a Globo a decisão não falava nada.

A liminar da Justiça dá multa de R$ 10 mil para cada pessoa que for de alguma maneira impedida de se manifestar contra políticos nos jogos. No entanto, ela realmente não fala nada a respeito de manifestações contra empresas patrocinadoras da própria Olimpíada, como é o caso da Globo, que exibiu o jogo entre a seleção brasileira e a Suécia. 

É bom lembrar que já na abertura da Olimpíada, que ocorreu no dia 05, o presidente Temer fez uma rápida aparição na cerimônia, não o suficiente, no entanto, para que ele não fosse visto.

Publicidade

Muitas pessoas o vaiaram enquanto algumas o aplaudiram. Por conta disso, o peemedebista já avisou que não estará na cerimônia de encerramento dos jogos, marcada para o próximo domingo, 21. No lugar dele, irá Rodrigo Maia.

Veja abaixo o vídeo que mostra o segurança dando orientações de como protestar em estádio da Olimpíada:

#Protestos no Brasil