O processo de #Impeachment contra a presidente afastada, #Dilma Rousseff, chega a sua fase final. Nesta terça-feira (30) de agosto até a manhã de quarta-feira, pretende-se encerrar o longo processo aberto há vários meses. Diversos senadores fazem seus pronunciamentos sobre o afastamento definitivo da presidente afastada, até que seja aberta a votação em plenário do Senado Federal. São necessários 54 votos, no mínimo, para se consumar o impedimento.

Morales pretende convocar embaixador

O presidente da Bolívia, Evo Morales, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e também da presidente afastada, Dilma Rousseff, pretende convocar seu embaixador no Brasil, em caso de se consumar o afastamento definitivo de Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

A advertência de Morales soou como uma "ameaça" ao processo político brasileiro instalado, em que os senadores julgam se a presidente afastada cometeu ou não crime de responsabilidade, de acordo com a denúncia da acusação. A denúncia é baseada na assinatura de três decretos presidenciais não autorizados  pelo Congresso Nacional e ainda pela prática das chamadas "pedaladas fiscais", que se caracterizam pela realização de operações de crédito financeiras com bancos públicos, com o intuito de se "maquiar" as contas públicas do País.

O presidente Evo Morales afirmou de modo contundente, a respeito do processo de impedimento da presidente afastada, Dilma Rousseff em uma rede social: "se prosperar o golpe parlamentar contra o governo democrático de Dilma, a Bolívia adotará medidas, como a convocação de seu embaixador", afirmou o chefe de Estado boliviano.

Publicidade

Ainda segundo Morales, "trata-se da defesa à democracia e paz no Brasil".  As palavras de Morales, em tom de ameaça, serviram para delinear sua posição sobre o Brasil, já que o presidente boliviano, assim como o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, são apoiadores do governo da presidente afastada do Brasil. A Bolívia,assim como a Venezuela, são países adeptos do bolivarianismo, que levou a Venezuela, à mais grave crise social de sua história. #Lula