O cansaço muitas vezes derruba os mais bravos trabalhadores. Na Justiça e na política também é assim. Prova disso é o arrastado processo de julgamento do #Impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Sendo discutido há nove meses, o impedimento enfim chega à sua reta final. O terceiro dia consecutivo de trabalhos praticamente ininterruptos, no entanto, levou até mesmo o presidente do Supremo Tribunal Federal (#STF), Ricardo Lewandowski, a se confundir e feio. Ele acabou trocando as bolas e já sem energia errou o nome de um dos Senadores. 

O erro foi registrado na tarde deste sábado, 27, quando quem falava no Congresso Nacional era o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa.

Publicidade
Publicidade

O presidente Lewandowski interferiu para conceder espaço de fala ao Senado Cristovam Buarque, eleito pelo PPS do Distrito Federal (DF). Ao chamar o representante do PPS, no entanto, ele parece ter se lembrado das aulas de história dos tempos de escola, chamando por Cristóvão Colombo. Esse é o nome do homem que descobriu a América. Não demorou muito para que o assunto virasse piada nas redes sociais e muita gente se lembrasse de um episódio do seriado mexicano 'Chaves' em que Professor Girafales dá uma aula sobre o descobrimento do continente Americano.

O Senador, mesmo tendo o nome trocado, acabou levando a situação com bom humor, e até disse que está acostumado com esse tipo de erro. "Vossa Excelência, se quiser, pode me chamar de Cristovam Colombo Buarque de Hollanda", disse ele fazendo os colegas irem aos risos.

Publicidade

Cristovam não foi o único a ter o nome dito de maneira errada por Ricardo Lewandovski. O Senador mineiro Aécio Neves, do PSDB, acabou tendo seu sobrenome trocado por Nécio. 

Os erros do presidente do Supremo são bastante compreensíveis, tanto que não geraram grandes desconfortos. Ele precisou inúmeras vezes interromper a sessão do julgamento de Dilma por alguns minutos devido a bate-bocas e ofensas entre quem apoia a petista e quem quer vê-la bem longe do governo.