O Diretório Nacional do #PT resolveu atacar novamente o juiz federal Sérgio Moro e a equipe da Operação Lava Jato. Em uma cartilha escrita em quatro idiomas, o PT criticou as atuações de Sérgio Moro na forma dele conduzir os seus trabalhos. De acordo com o pensamento petista, o juiz constrangeu o ex-presidente #Lula em diversos momentos, violando os princípios do Estado Democrático de Direito. A cartilha diz que Lula se tornou alvo de uma "caçada judicial", onde a vontade do Ministério Público, da Polícia Federal e da Justiça é apenas levar o ex-presidente aos tribunais por algum crime que eles pretendem encontrar.

A cartilha foi escrita em quatro idiomas: português, inglês, francês e espanhol e tem como objetivo divulgar ao mundo que Lula é uma pessoa boa e que não merece passar por esse sofrimento.

Publicidade
Publicidade

Porém Lula ainda não provou a sua inocência para a Justiça, e Sérgio Moro continua firme analisando os processos do ex-presidente no esquema de corrupção da Petrobrás e irregularidades nas reformas de um sítio em Atibaia e um triplex no Guarujá.

A cartilha petista está sendo distribuída em vários veículos de comunicação por todo o mundo e não deixa de ser uma forma de Lula intimidar o Poder Judiciário, pois as críticas foram duras contra o juiz Sérgio Moro. 

Erro de informação

O documento petista traz um erro de informação ao dizer que Lula não é réu. Conforme decisões do juiz da 10° Vara Federal de Brasília, Lula é réu sim desde de 29 de julho deste ano, e o motivo é obstrução à Justiça. O PT disse que a cartilha foi escrita antes da decisão do juiz, por isso tem esse erro.

Sequestro

A cartilha petista fala que o ex-presidente está sofrendo um sequestro por parte dos procuradores da Lava Jato, pois querem evitar que Lula volte ao poder.

Publicidade

O juiz Sérgio Moro é "apedrejado' no documento dizendo que ele e o procurador-geral da República Rodrigo Janot são participantes de um tiro ao alvo judicial contra o ex-presidente. Nem mesmo o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes ficou livre das ofensas petistas. #Sergio Moro