Presidido pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o #Senado Federal será responsável por julgar o processo de impeachment da presidenta #Dilma Rousseff. No entanto, essa última etapa será presidida pelo presidente do STF, o ministro Ricardo Lewandowski. A razão para a troca de Calheiros pelo magistrado é a busca de realizar um processo mais imparcial, uma vez que trata-se da última votação para decidir em definitivo a permanência ou impedimento da presidenta afastada.

Mesmo com a condução da sessão e do processo de votação pelo presidente do STF, a decisão final sobre o #Impeachment ficará a cargo dos senadores, que por sua vez atuarão como juízes, deliberando a respeito do destino da ré.

Publicidade
Publicidade

A Lewandowski caberá observar se o julgamento segue de acordo com as normas e também decidir sobre possíveis recursos trazidos pelos senadores. 

Curiosamente, caso o processo de impeachment se estendesse mais, seria provável que outro membro do STF o comandasse no Senado, já que o mandato de Ricardo Lewandowski na Presidência do Supremo se encerra no início do próximo mês. Neste caso, a responsável pela condução do processo seria a ministra Carmen Lúcia, que assumirá como presidente do STF a partir de 10 de setembro.