O final de semana ainda não chegou, mas os nervos estão à flor da pele entre senadores. Na próxima segunda-feira (29), a presidente afastada Dilma Rousseff apresentará sua defesa no plenário do #Senado Federal. O que senadores e advogados temem, é um tumulto e uma grande discussão entre a advogada #Janaína Paschoal e a presidente afastada.

Janaína é marcada por fazer discursos fortes e atuações polêmicas. Seu estilo "bateu e levou" ficou registrado nas sessões no Senado. A etapa de segunda-feira preocupa um senador que é aliado do governo interino de Michel Temer, ele tenta conversar com colegas para evitar que Janaína faça questionamentos para #Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

A defesa de Dilma compartilha da mesma ideia e acredita que a sessão no plenário poderá se tornar um "circo"

A advogada de acusação Janaína Paschoal é temida, pois senadores acreditam que ela possa fazer perguntas e tons provocadores para Dilma, consequência de seu jeito afiado e questionador. Sua apresentação na Comissão Especial do Senado Federal foi marcada por bate-boca, discursos fortes, questionamentos e tumultos. 

Nesta quinta-feira (25), Janaína Paschoal chegou prontamente para a sessão no plenário. Além dela, também estão presentes os advogados Miguel Reale Jr. e Hélio Bicudo.  

Julgamento final

A sessão para o julgamento final do processo de impeachment de Dilma Rousseff, começou atrasada. A hora de início estava marcada para as 09h, porém, iniciaram às 09h33. Senadores apresentam questionamentos e ouvem duas testemunhas que foram indicadas pela acusação e mais seis pessoas indicadas pela defesa de Dilma Rousseff. 

Semana que vem, Dilma irá se pronunciar, e 81 senadores irão discursar durante 10 minutos, após isso ocorrerá a votação que irá definir o futuro da presidente afastada.

Publicidade

Alguns senadores afirmam que, para evitar um tumulto como o que ocorreu na Câmara dos Deputados, e para evitar que a população ridicularize o evento, o melhor seria Janaína não se direcionar para Dilma, pois os senadores poderiam perder o controle de toda situação.