O senador do PSDB de Minas Gerais, #Aécio Neves estava no Senado questionando a presidente afastada #Dilma Rousseff quando recebe ameaça de morte por e-mail. O e-mail veio com o nome de "aviso" e chama o senador de "canalha asqueroso". No e-mail, o ameaçador fala que se Aécio não renunciar, ele e toda sua família morrerão. Junto com a mensagem veio a imagem do cadáver de um jovem com todo o corpo coberto de sangue.

De acordo com seus assessores, o senador irá encaminhar o e-mail para análise e procedimentos da Polícia Federal. O e-mail foi enviado por volta das 14h14, um pouco antes do senador começar os seus questionamentos no julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Aécio comunicou o fato à Mesa Diretora do Senado e ressaltou que não é a primeira vez que recebe esse tipo de ameaça. Há alguns meses atrás, a segurança do parlamentar foi reforçada devido um plano de atentado contra o senador, relatado por um denunciante anônimo.

Ameaça de atentado

Em maio de 2016 um homem acionou o serviço de atendimento ao cidadão do Senado, dizendo que o senador Aécio Neves estava correndo perigo. No início da ligação o homem pediu para que o funcionário encaminhasse as informações para o Departamento de Polícia Civil de Brasília. Em poucos palavras, o homem disse que tinha um Fiat Pálio roubado e o alvo desse carro é o senador. As placas foram passadas para a Polícia realizar a investigação. A partir desse momento foi aumentado a segurança do senador e de sua família.

Publicidade

Aécio e Dilma

O senador citou as eleições passadas durante seu interrogatório no julgamento do impeachment, comentando que não é nenhuma desonra perder as eleições quando se defende ideias e propostas. Aécio disse que voto não é salvo-conduto, ou seja, nada pode justificar os erros de administração e má governabilidade. O parlamentar falou das inúmeras mentiras que Dilma contou na campanha para vencer as eleições.  

Dilma respondeu dizendo que o senador também é alvo de investigações sobre suas contas e disse que ninguém pode acusá-la de nada. De acordo com a presidente afastada uma série de medidas políticas para desestabilizar seu governo foram tomadas e isso ocasionou a crise. #Senado Federal