Na noite desta terça-feira, 09, o Senador Magno Malta, eleito pelo Partido da República (PR) do Espírito Santo, entrou para a história ao pedir meio minuto de silêncio para o Partido dos Trabalhadores (#PT). Em um discurso de boa retórica, o político ainda diz que a presidente afastada Dilma Rousseff seria uma "atriz canastrona". Ele a comparou ela com uma mercadoria de internet. "O Brasil comprou Dilma como algo bom e recebeu um tijolo", disse ele relatando que a companheira do ex-presidente Luiz Inácio da Silva não teria serventia como mulher na política. 

Magno Malta ainda comparou a legenda dos petista com uma planta que é linda por fora, mas imprestável por dentro.

Publicidade
Publicidade

"Vocês são casca", mas podres por dentro. Durante o pronunciamento que ocorreu na sessão que definiu os trâmites do impeachment da petista, ele ainda atacou o ex-Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo, que faz a defesa de Rousseff. Ainda no começo do seu discurso, o representante do PT pediu que a TV Senado cortasse a imagem e exibisse o rosto do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Malta relata que não existe golpe em um país com um processo de impeachment tendo toda a condução do judiciário.

Em seguida, ele fala que os crimes de Dilma são uma questão de interpretação e que durante um julgamento sempre há a defesa e a acusação, mas relata que tem certeza que a primeira mulher eleita no país é uma criminosa por ter enganado milhões de brasileiros. Ele ainda chamou os petistas de abortistas e que isso é contra a natureza de Deus e que a legenda apoia menores que cometem crimes contra a sociedade.

Publicidade

Magno ainda diz que os petistas falam que a Odebrecht incrimina o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, quando na verdade estaria envolvida com vários políticos, até mesmo os do partido comunista. Ele termina o vídeo pedindo o silêncio pelo o enterro da legenda de Lula.

Veja abaixo o momento em que o Senador pede trinta segundos de silêncio para a morte do Partido dos Trabalhadores:

#Dilma Rousseff