Nesta segunda-feira (29), desde às 9h53, #Dilma Rousseff está no julgamento final do seu processo de impeachment. A sessão, realizada no plenário do Senado Federal, foi aberta pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Os embates estão trazendo à pauta assuntos polêmicos que envolvem a julgada Dilma Rousseff.

A acusação que levou Dilma ao processo de impeachment foram as "pedaladas fiscais" de seu governo, na qual ela é acusada de usar dinheiro de bancos federais em programas do Tesouro Nacional.

Após seu pronunciamento de 45 minutos e meio, Dilma começou a ser questionada sobre diversos assuntos que envolvem seu partido e sua gestão como presidente.

Publicidade
Publicidade

Um deles foi levantado pelo senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) que perguntou para a acusada sobre o polêmico assunto da compra da refinaria em Pasadena, nos Estados Unidos.

O senador questionou Dilma dizendo que, se ela não tinha conhecimento sobre os pareceres técnicos, mesmo assim,  autorizou a compra, e enfatizou que esse comportamento dela é controverso  ao que ela alega manter na presidência da República. Em bom tom, ele finalizou: "em qual dessas 'Dilmas' o povo deve acreditar?" 

Em seguida, a presidente afastada reagiu dizendo que não pode responder a uma pergunta como essa, porque não é assunto do #Julgamento do Impeachment e ela poderia confundir as datas.

Para Dilma, Cunha é o líder

A presidente afastada disse que Michel Temer é apenas um coadjuvante e o verdadeiro líder do impeachment é Eduardo Cunha.

Publicidade

Dilma respondeu ao senador Cristovam Buarque (PPS-DF) e avaliou que se equivocou ao escolher Temer como seu vice de governo. Para Dilma, Temer representava uma "ala democrática do PMDB" e ela acreditou nisso. 

Pacto com o Diabo

O senador Sérgio Petecão (PSD-AC) lembrou de uma fala que Dilma disse durante a campanha eleitoral de 2014: "se faz o diabo para vencer uma eleição". Petecão perguntou para Dilma que tipo de pacto é esse, e questionou se com o diabo "tudo veio por água abaixo?"

Dilma disse que nunca havia pronunciado isso, e se negou a responder essa pergunta.  #Senado Federal