Nesta semana, o clima esquentou no #Senado Federal. Teve início o julgamento oficial da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Os Congressistas que defendem a petista fizeram de tudo para retardar a votação sobre sua deposição, que já acontece na semana que vem. Na segunda-feira, 29, está prevista a participação de Dilma no Senado. Ela lerá um discurso em própria defesa e deve responder às perguntas dos opositores. O objetivo é provocar algum constrangimento de quem votará contra ela, como ex-Ministros, por exemplo.

No entanto, nenhum constrangimento foi maior nessa semana do que o registrado entre o presidente do Senado Federal, #Renan Calheiros, eleito pelo PMDB de Alagoas, e a petista Gleisi Hoffmann, eleita pelo Paraná.

Publicidade
Publicidade

Nesta sexta-feira, 26, bastante irritado, Calheiros pegou o microfone e lembrou de uma fala de Gleisi do dia anterior, quando ela disse que ninguém ali tinha moral para julgar Dilma, nem mesmo ela. Bastante alterado, uma raridade, Calheiros disse que Hoffmann não pode falar nada de qualquer Congressista.

Ele continuou a alfinetá-la e disse que como presidente do Senado conseguiu evitar que ela e o seu marido fossem indiciados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), lembrando que há cerca de um mês, o esposo de Gleisi, o ex-Ministro do Planejamento do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acabou sendo preso durante a Operação Custo Brasil. Após a revelação de um esquema para livrar Hoffmann e Paulo, Renan teve a fala cortada por Ricardo Lewandowski, justamente o presidente do Supremo, com quem Calheiros indicou uma possível negociação.

Publicidade

Enquanto Renan falava demais, uma pessoa parecia visivelmente desesperada. Bastou Calheiros começar a dissertar sobre a possível ajuda à Gleisi, para a colega dela, Vanessa Grazziotin, do Partido Comunista do Amazonas, tentar impedir que o presidente continuasse a fazer as revelações. 

Veja o vídeo que mostra Vanessa tentando fazer o presidente do Senado não falar o que tanto queria. E aí, o que você achou da atitude dela?

#PT