Nesta quinta-feira, 18, o jornal apresentado pela apresentadora Rachel Sheherazade na emissora de Silvio Santos, o 'SBT Brasil', trouxe uma ampla reportagem sobre o 'Caso Feliciano'. Uma matéria mostrou como a história tem sido vista de outra forma pela Polícia. Fontes disseram a investigadores que Patrícia tem "mitomania", que é um problema psicológico em que a pessoa fica com as "faculdades mentais" alteradas, virando uma compulsiva em mentir. A Polícia Civil de São Paulo já tornou a ex-militante do PSC como indiciada em uma das acusações feitas por ela. Lélis diz que foi sequestrada em cárcere privado por Talma Bauer, ex-chefe de gabinete do deputado federal #Marco Feliciano, do PSC. 

A mudança na investigação foi baseada em câmeras de segurança, que mostraram Bauer e Patrícia conversando em um clima descontraído em um hotel, o que acaba confrontando a versão de sequestro.

Publicidade
Publicidade

Fotos em uma loja de maquiagem também refutam a versão de que a bela teria sido presa no quarto do hotel e obrigada a gravar um vídeo favorecendo o deputado federal. Em entrevista ao jornal 'SBT Brasil', o delegado do caso, Luiz Roberto Hellmeister, contou que irá pedir a prisão preventiva de Lélis. Ele argumentou que ela está colocando em perigo à sociedade brasileira. Segundo o delegado, Patricia mente sem medir qualquer consequência.

Em depoimento, o assessor de Feliciano confirmou que pagou R$ 50 mil para a jovem ficar calada e parar de fazer acusações contra o político. Segundo Luiz Roberto, Patrícia foi diagnosticada em 2015 como portadora de "mitomania", uma doença neurológica que faz as pessoas mentirem sem qualquer tipo de controle. A avaliação, segundo a reportagem do 'SBT Brasil', acabou sendo feita pela Polícia de Brasília, depois que a ex-militante disse ser vítima de outro estupro, que envolveria uma segunda mulher.

Publicidade

O crime jamais foi comprovado.

Veja abaixo o vídeo que mostra a reportagem exibida pelo 'SBT Brasil que traz uma elucidação sobre o caso envolvendo o deputado pastor Marco Feliciano, do PSC:

#Patrícia Lélis