Desde o dia 12 de maio, o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, está como chefe de governo do Brasil. Por estar interinamente no cargo, em meio a um processo de impeachment de sua antecessora e ex-aliada, a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), o peemedebista tem evitado se pautar nas polêmicas e fazer pronunciamentos à nação. Um dos únicos realmente feitos e transmitidos pela televisão foi através de poucas palavras durante a cerimônia de abertura dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro. Naquela ocasião, não surpreendentemente, a maior parte do público vaiou Temer, enquanto alguns aplaudiram. 

As vaias são reflexo da crise econômica e de boa parte dos brasileiros acreditar que o melhor seria chamar novas eleições e não ter Michel no cargo.

Publicidade
Publicidade

Ao mesmo tempo, pesquisas indicam que a maioria não quer ver Dilma nem pintada de ouro. Tentando apaziguar os ânimos e trazendo um enorme retrospecto do que aconteceu até agora, o marido de Marcela decidiu fazer o seu primeiro pronunciamento em cadeia de rádio e televisão. Esse deve acontecer em uma das datas mais simbólicas do país, o 7 de Setembro, conhecido como o 'Dia da Independência do Brasil'. 

O conteúdo do discurso falará sobre a transição de governo e contará qual foi a chamada "herança maldita" deixada por Dilma, que inclui dívidas e até os chamados espiões em cargos comissionados. Dessa forma, Temer se apresentará como o presidente do país. Por isso, ele tem pressa para que Rousseff saia o mais rápido possível do poder. Ele não quer que ela continue no cargo além do mês de agosto e qualquer dia a mais da presença de Dilma teria o poder de prejudicar mais o seu discurso, que será quase que como um de "posse". 

O presidente falará ainda sobre o que terá feito em quase quatro meses de governo e mostrará os dados da economia em recuperação.

Publicidade

O pronunciamento seria feito antes, mas Temer terá uma viagem no início de Setembro durante um encontro do G-20 na China. Seu staff achou inadequado gravar algo e sair do país depois.  #Michel Temer #PMDB