O presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, foi esperto e evitou ser vaiado no maior estádio brasileiro, o Maracanã, durante a cerimônia de abertura dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro. Apesar de estar sentado ao lado de diversos chefes de estado, ele sequer foi mostrado na legenda. Pior, a Câmera da transmissão sequer o enquadrou. O público animado com o show acabou nem percebendo. Enquanto isso, pelo Twitter, a presidente afastada #Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT) disse que estava muito triste. 

Ao invés de mostrar Temer, o Comitê Olímpico Internacional preferiu apresentar o presidente da própria entidade, Thomas Bach.

Publicidade
Publicidade

Na transmissão feita pelo principal canal do país, a Rede Globo de Televisão, o narrador Galvão Bueno lembrou que nunca algo do tipo havia acontecido até então. "Eu tenho experiência em décadas de cobertura e nunca vi isso. Isso porque os chefes de estado de todo o planeta fazem questão de aparecer em um momento como esse. Isso é histórico e nitidamente reflete o momento histórico que passa o país", lembrou o apresentador. 

A tensão para a parte política do evento começou bem antes de Temer sair de Brasília para o Rio de Janeiro. O Comitê Olímpico chegou a convidar a presidente afastada Dilma. Ela até confirmou que iria, mas desde que não ficasse em uma posição secundária, dizendo que ajudou que os jogos foram feitos também com a ajuda do governo federal e que era ela quem estava no poder durante esse período.

Publicidade

Na verdade, quando o Rio foi escolhido como cidade sede em 2016, quem estava no poder era o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Emoção no estádio

O estádio do Maracanã, diferente do que muitos poderiam acreditar, estava completamente lotado. Em um dos momentos mais marcantes, o público cantou junto com Jorge Benjor, que estava ao lado da apresentadora Regina Casé. Nunca em uma Olimpíada o público cantou junto e quebrou o protocolo da própria cerimônia. Esse foi o momento mais marcante da primeira hora da transmissão do jogos.  #Michel Temer