No início na noite dessa terça-feira, 16, #Teori Zavascki autorizou a abertura de uma investigação contra #Dilma Rousseff, Luís Inácio Lula da Silva, José Eduardo Cardozo e Aloízio Mercadante. A investigação será por possível desvio de finalidade para obstruir a Operação Lava Jato, ocasião em que Lula foi nomeado ministro da Casa Civil.

Além dos nomes principais do inquérito, também serão investigados o ex-senador Delcídio do Amaral e os ex-ministro, Marcelo Navarro e Francisco Falcão.

O pedido aceito por Teori Zavascki foi elaborado pelo procurador-geral da república, Rodrigo Janot, em maio desse ano. Entretanto, na época, Teori devolveu o pedido para o procurador reavaliá-lo, uma vez que as escutas telefônicas entre #Lula e Dilma foram anuladas.

Publicidade
Publicidade

Janot devolveu o pedido em julho, mantendo a solicitação de inquérito.

A partir de agora, começa a fase de investigações e colhimento de provas. Ao término do inquérito, os autos serão remetidos para Rodrigo Janot, que analisará e decidirá se denuncia os investigados ou arquiva o resultado das investigações

Assessoria de Lula repudia vazamento das informações

A assessoria do ex-presidente da república, Lula, alegou que até o momento não foram notificados formalmente sobre o inquérito e que repudiam que tais informações estejam disponíveis na imprensa, uma vez que o processo corre em segredo de justiça. Sua defesa ainda afirma que Lula sempre agiu dentro da legalidade, respeitando as leis vigentes no Brasil antes, durante e após o encerramento de seu primeiro e segundo mandato de presidente da república.

Publicidade

Assessoria de Dilma acha as investigações positivas

A equipe de Dilma Rousseff considerou positiva a decisão de Teori, pois, segundo eles, será possível elucidar todas as dúvidas a respeito desse dilema levantado desde abril, o que fará com que a verdade prevaleça e seja provado que Dilma jamais agiu para impedir o prosseguimento da Lava Jato.

Reação dos demais envolvidos

A defesa de Delcídio do Amaral disse que não irá se manifestar a respeito do assunto. Marcelo Navarro e Francisco Falcão optaram em se manifestarem em outro momento. Aloizio Mercadante tem pensamento semelhante ao da defesa de Dilma, que vê as investigações como uma oportunidade para provar que nunca houve tentativa de impedir a Lava Jato de prosseguir suas investigações e processos.

Já José Eduardo Cardozo, o advogado de defesa de Dilma Rousseff no processo do impeachment, considera o envolvimento de seu nome no processo como o fruto de uma mentira contada por Delcídio do Amaral, em sua delação premiada, mas que acha justo que tenha uma investigação para provar sua inocência.