A poucos dias de se apresentar no Senado, #Dilma Rousseff deu uma entrevista longa ao canal SBT, onde prometeu lutar pela sua inocência, deixando uma ameaça clara a todos os golpistas políticos que foi “vítima de um julgamento fraudulento liderado por membros da oposição”. Quanto a sua possível renúncia, a ex-Presidente da República também foi muito clara ao garantir que não vai desistir e está motivada para levar seu processo de impeachment até ao limite legal, lutando sempre por sua inocência perante os senadores que vão ser juízes do processo já a partir do próximo dia 25 de agosto.

Ao contrário do que aconteceu com Fernando Collor de Mello em 1992, que renunciou ao cargo quando se iniciou o seu processo de impeachment, Dilma Rousseff está longe de desistir e garante que foi completamente traída por Michel Temer, que foi eleito com seu programa de Governo.

Para Dilma ou os crimes que alegadamente cometeu, relacionados com a assinatura de decretos que não foram numerados e os atrasos nas verbas aos bancos, são para todos ou então não são para ninguém, garantindo que tudo o que fez, e que agora está sendo acusada, também foi cometido por seus antecessores, que não foram punidos por esses atos.

Publicidade
Publicidade

Durante a entrevista ao canal “SBT”, Dilma Rousseff também rapidamente se desviou de qualquer tipo de relação que pudesse ter com o escândalo da Petrobras, revelando que todos os atos de corrupção que foram cometidos durante sua Presidência foram cometidos sem seu conhecimento.

Em tom de ameaça aos golpistas, Dilma quer mesmo provar no Senado que seu processo de destituição foi fraudulento e que não passou de uma tentativa clara de todos seus “adversários” conseguissem eleger um novo Presidente sem o voto do povo brasileiro. Nas redes sociais, muitos brasileiros não se mostraram surpresos pelos comentários sobre a renúncia da ex-Presidente, garantindo que ele está disposta a levar “suas mentiras” até ao limite possível no Senado, contando com a ajuda de uma grande equipe de defesa que já prepara o discurso inicial de Dilma no dia 25 de agosto.

Publicidade

#Justiça #Lula