Nestes três meses iniciais do governo interinor de Michel Temer, um fator chamou a atenção e pode ser considerado o calcanhar de Aquiles do governo peemedebista: as falas dos ministros. As declarações de alguns dos escolhidos para encabeçar os ministérios de Temer beiraram o machismo e o apoio à corrupção. 

Relembre algumas frases do governo interino que marcaram os 90 dias:

"O México, para os políticos homens no Brasil, é um perigo porque descobri que aqui quase a metade dos senadores são mulheres", José Serra, ministro das Relações Exteriores.

"Nem Finlândia, Suécia ou Dinamarca, que são países ricos, ofertariam um programa (Ciências Sem Fronteiras) tao generoso como esses.

Publicidade
Publicidade

É um programa caríssimo", Mendonça Filho, ministro da Educação.

As três frases seguintes saíram da boca do ministro da Saúde, Ricardo Barros, possivelmente o pior ministro no trato com as palavras.

"É melhor ter um médico cubano do que um farmacêutico ou uma benzedeira".

"Se ela não tem efetividade, mas as pessoas acreditam que ela tem, a fé move montanhas".

"Os homens trabalham mais, são os provedores da maioria das famílias". #Michel Temer #Dentro da política