O julgamento do processo de #Impeachment de Dilma Rousseff está se aproximando de seu final. Com isso, o clima entre aliados da presidenta afastada e de aliados do presidente interino, Michel Temer, tem esquentado cada vez mais. Prova disso foram os episódios registrados nesta sexta-feira, 26, quando o presidente do Senado, #Renan Calheiros, a senadora Gleisi Hoffman e o senador Lindbergh Farias trocaram gritos, ofensas e até empurrões diante do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandovski, que teve de evocar seu "poder de polícia" para interromper a briga. 

1º round

O 1º round, na realidade, foi motivado por declarações dadas por Gleisi Hoffman no primeiro dia do julgamento, a quinta-feira, 25.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião a senadora falou que o Senado brasileiro não tem moral para julgar a presidente #Dilma Rousseff. A argumentação irritou Renan Calheiros, que decidiu contra-atacar nesta sexta-feira. Em seu discurso, Renan disse que as discussões que estavam acontecendo no senado eram apenas um "espetáculo" e chamou os próprios colegas de burros. Disse ainda que o senado parece um hospício. Estranhamente, após fazer as graves ofensas, Renan decidiu voltar sua metralhadora contra Gleisi Hoffmann, se mostrando revoltado com os comentários feitos por ela na véspera. “Isso não pode acontecer. Como uma senadora pode fazer uma acusação dessas?”, questionou. Em seguida, cobrou um suposto favor que fez à senadora. Renan disse que foi ele quem conseguiu desfazer, no Supremo Tribunal Federal, o indiciamento do marido de Gleisi Hoffmann.

Publicidade

A cobrança irritou Gleisi e seus aliados. A senadora se aproximou do microfone de Renan e disse que aquilo não era verdade. Lindbergh Farias também se aproximou de forma ameaçadora e falou "que baixaria". Ato contínuo, Renan Calheiros o empurrou. Lindbergh se exaltou e gritou "não me empurre!". O bate-boca se generalizou e obrigou o presidente do Supremo Tribunal Federal a interromper a sessão. Assista:

2º round - poder de polícia contra Lindbergh

O 2 º round aconteceu entre Lindbergh Farias e Ronaldo Caiado. Lindbergh provocou, chamando Ronaldo de desqualificado. O ofendido levantou-se e começou a bater-boca com o senador petista. Ricardo Lewandovski interveio, advertindo Lindbergh de que não aceitaria palavras injuriosas contra quem quer que fosse. "Vou usar meu poder de polícia para exigir respeito", disse, antes de ordenar que os microfones dos senadores fossem desligados. Assista: