Ela Wiecko Volkmer de Castilho, vice-procuradora da república, que responde pelos atos oficiais na ausência de Rodrigo Janot, participou de um protesto contra o governo interino de Michel Temer, em Portugal.

Em um vídeo veiculado pela TV dos Trabalhadores (TV da CUT), a procuradora aparece junto com várias pessoas, identificadas como estudantes de um curso de verão, segurando um cartaz de ‘Fora Temer’ e repetindo a mesma frase. O vídeo não é recente, foi gravado no final de junho. Entretanto, foi agora, com o #Impeachment de Dilma na fase final que a procuradora foi reconhecida na gravação.

Ao ser procurada pela imprensa, Ela Wiecko se defendeu e disse que não vê problema em se manifestar a favor daquilo que acredita e que de qualquer maneira, estava de férias em Portugal e não foi a protagonista do ato contra ao atual governo.

Publicidade
Publicidade

Quando questionada sobre o impeachment de Dilma, que deve se consumar nessa quarta-feira, 31, Wiecko afirmou que entende o ato como um claro golpe, mesmo que esteja seguindo todas as regras legais.

Defesa de Dilma se une contra Michel Temer

Vários deputados e senadores, muitos deles que já criticaram o governo petista no passado, como Kátia Abreu e Jean Wyllys, estão apoiando #Dilma Rousseff. Há alguns dias, Lula se reuniu com senadores e deputados do PT e pediu que eles fizessem frente ao governo de Temer, barrando propostas que possam retroceder projetos defendidos pela sigla.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa, admite que não há chances de Dilma voltar. Outros senadores também já falam no impeachment como algo certo. O único senador que se mostra otimista com o retorno de Dilma Rousseff é Lindbergh Farias, que afirmou à rádio Jovem Pan que Dilma não só reverterá o impeachment, como o fará de ‘goleada’.

Publicidade

Atos contra o impeachment

Desde a data de ontem, quando Dilma ficou cerca de 14 horas no Senado Federal, atos de grupos com histórico de violência contra autoridades policiais, terceiros e danos ao patrimônio público e privado, se uniram para fechar marginais e estradas, bem como tentar agredir policiais. Em São Paulo, a polícia militar reprimiu os atos, mas logo pela manhã várias pessoas começaram a queimar pneus em marginais importantes da cidade. Quatro pessoas foram detidas e um caminhão de pneus foi apreendido. #Protestos no Brasil