O anúncio feito por Dilma Rousseff, de que estará presente em seu julgamento no dia 29 de agosto, acabou surpreendendo muita gente, inclusive senadores e deputados. Entretanto, jornalistas e políticos acabaram vendo a decisão com humor.

Dilma está prestes a sofrer o #Impeachment, que em virtude dos últimos resultados, é quase irreversível, entretanto, abrir mão do próprio advogado, quando poderia escolher ser representada por ele, acabou abrindo a seguinte discussão entre juristas, políticos e jornalistas: Dilma não é a pessoa mais indicada para argumentar e sua oratória não é das melhores.

Sob esse pensamento, programas de TV, de rádio e de internet, comentaram a escolha de Dilma, deixando subentendido que essa última tentativa de salvar-se do impeachment, pode ser a forma perfeita de afundar-se ainda mais e dizer adeus à presidência da república.

Publicidade
Publicidade

Abaixo segue um vídeo do programa Rádioatividade da Jovem Pan, que mostra porque ao escolher se defender sozinha, Dilma pode ter cometido um grande erro:

 

O mesmo pensamento de derrota para a ré, #Dilma Rousseff, toma conta dos senadores favoráveis ao impeachment. Para eles, a ida de Dilma ao julgamento será essencial para que ela mesma, indiretamente, possa provar que a tese do golpe nunca existiu na prática, pois ela, como suposta golpeada, estará exercendo o seu direito constitucional de ampla defesa.

Além disso, a presidente afastada será confrontada pelos opositores, o que pode gerar algum tumulto no plenário. Sua defesa, através dos senadores Humberto Costa, José Pimentel e Paulo Rocha, informou que irá elaborar nos próximos dias, perguntas que podem ser feitas para Dilma Rousseff durante seu depoimento, que será transmitido ao vivo para todo o Brasil, além de ser noticiado em todo o mundo.

Publicidade

Assim, a presidente afastada pode treinar suas possíveis respostas.

O horário da presença de Dilma no plenário ainda não foi definido. Dilma estará presente no quinto dia de julgamento e a sua defesa fará o possível para estender as discussões até o sétimo dia, 31 de agosto. De qualquer maneira, a decisão final deve sair nesse mês ou nas primeiras horas do dia 1 de setembro, caso a votação comece dia 31 e termine de madrugada, como as duas anteriores. #Rito do Impeachment