No mesmo dia em que a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), leu uma carta tentando dar a última cartada contra o processo de #Impeachment, ela sofreu literalmente um "golpe" da #Justiça. A petista agora praticamente virou ré da Operação Lava-Jato. Nesta terça-feira, 16, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, mandou abrir oficialmente um inquérito contra a companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por atrapalhar as investigações comandadas pelo juiz federal Sérgio Moro. Além de Dilma, o inquérito abrange Lula e dois ex-Ministros da presidente.

A informação foi dada em primeira mão pelo jornal 'O Estado de São Paulo', confirmada minutos depois pelo site da Revista Veja.

Publicidade
Publicidade

O despacho assinado por Teori nesta segunda-feira, 15, autoriza as investigações contra Rousseff. O caso necessitou passar pelo Supremo, pois a petista tem foro privilegiado. Já se esperava que um inquérito fosse aberto contra ela, mas apenas depois da votação do impeachment, que deve ter final até o dia 25. Com o novo episódio, a derrota da representante do PT pode ser ainda maior. Acredita-se que até 60 Congressistas votarão contra ela. A margem mínima para que passe a deposição é de 54 senadores. 

É bom lembrar que em junho o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, já havia pedido para investigar Lula, Dilma e José Eduardo Cardozo, ex-Advogado-Geral da União e ex-Ministro da Justiça. Teori, no entanto, naquela ocasião, mandou o pedido de volta para a procuradoria, alegando que as gravações feitas por Sérgio Moro mostrando Lula conversando com Dilma sobre a posse no Ministério da Casa Civil em um período que se especulava até uma possível prisão do ex-líder sindical. 

O inquérito aberto contra Dilma caiu como uma bomba no meio político, especialmente por repercutir horas depois dela ler uma carta à sociedade.

Publicidade

É bom lembrar que Lula já é réu na Lava-Jato, mas pela Justiça Federal, não passando pelo Supremo. Os motivos são os mesmos do novo inquérito, obstrução das investigações.  #Dilma Rousseff