José Eduardo Cardozo ganhou fama ao defender arduamente o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O ex-ministro da justiça sempre foi pressionado pelo PT e vivia preso à ideologia do partido. O ex-presidente Lula criticava bastante sua atuação, dizendo que ele não controlava a Polícia Federal. Ao defender Dilma no julgamento de impeachment, os petistas começaram a ver Cardozo com outros "olhos". E hoje se fala inclusive, sobre a possibilidade do advogado ser candidato.

Um fato curioso, é que José Eduardo Cardozo indicava para seus alunos, na PUC em São Paulo, um livro de Michel Temer, chamado: "Elementos do Direito Constitucional".

Publicidade
Publicidade

Esse livro de Temer foi publicado em 1982 e foi reformulado após a Constituição de 1988. É o livro mais famoso do presidente e já vendeu 200 mil cópias.

O livro "Elementos do Direito Constitucional", visa falar sobre a Constituição e tem foco na organização do Estado Brasileiro. Na publicação podemos encontrar detalhes das funções dos Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Opiniões

O livro divide opiniões. O ex-governador de São Paulo, Luis Antonio Fleury Filho elogiou as ideias de Temer e disse que o livro serve tanto para estudantes quanto para advogados e professores.

Por outro lado, existem aqueles leitores que não ficaram satisfeitos com o livro. A professora de Direito Constitucional, Ana Paula de Barcellos, disse que o livro é bom num primeiro contato com o Direito Constitucional, mas para quem já está avançado na matéria, ela não indica.

Publicidade

Outros livros 

#Michel Temer tem outras publicações que são muito requisitadas. As obras "Constituição e Política" e "Democracia e Cidadania" são mais contundentes em relação ao seu posicionamento político e jurídico.

Nas épocas das denúncias de corrupção que Collor foi submetido, Temer disse que o ex-presidente deveria ter investigado o caso para tentar lutar pela sua inocência. O líder do PMDB não concordou com a renúncia de Collor, dizendo que não era o melhor meio de resolver esse impasse político. #Curiosidades #Dilma Rousseff