O ex-Ministro da Justiça e advogado da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (#PT), José Eduardo Cardozo, acabou passando vergonha nesta quinta-feira, 01, quando enviou uma mandato de segurança ao Supremo Tribunal Federal (STF), no qual solicita que a sessão do Senado Federal desta quarta-feira, 31, que determinou a deposição da petista, seja suspensa. De acordo com informações do 'Diário do Poder', um documento já pronto foi enviado à mais alta corte do país. Os advogados que compõem a defesa da companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não se deram nem o trabalho de editar a folha, ficando com o modelo disposto no site da entidade jurídica.

Publicidade
Publicidade

Ou seja, foi copia e cola, sem nenhuma revisão 

O erro absurdo acaba mostrando que a defesa de Dilma está correndo tanto que não lê nem o que entrega, mas sempre tenta protelar as coisas. Além disso, demonstra não ter muitos argumentos que qualificam o pedido de iniciativa jurídica. Uma das páginas do processo estava com destaque em amarelo com espaços com XXX, que indicam que deveriam ser preenchidos.

Nem mesmo a marcação gritante e os XXX chamaram a atenção da equipe jurídica, que enviou o documento assim mesmo. O endereço de Dilma ficou como a casa X, o telefone também, o e-mail idem. Dessa forma, ficará complicado achar a primeira mulher eleita do país e a primeira mulher deposta do país, mesmo até que o Supremo venha no futuro devolver o mandato da petista, ação vista como impossível pela maior parte dos advogados. 

Os advogados de Dilma só perceberam a falha depois que o Supremo Tribunal Federal escolheu o relator que analisará o pedido com o mandato de segurança.

Publicidade

O escolhido é o Ministro Teori Zavascki. Percebendo o ato vergonhoso, a equipe de Rousseff só pôde pedir desculpas, disse que se confundiu e que um novo documento já seria enviado. José Eduardo Cardozo revelou que a novo protocolação já foi feita e que o problema já estava acabado. 

O grupo que trabalha com Cardozo é o mesmo que fez ele acabar lendo o nome do jurista 'Tomas Turbando'.  #Dilma Rousseff