Nesta sexta-feira, dia 9 de setembro, o presidente Michel Temer (PMDB) tomou uma decisão que deixou os seguidores da ex-presidente Dilma Rouseff (PT) revoltados. O peemedebista exonerou o Advogado-Geral da União, Fábio Osório, de seu cargo. Em seu lugar, ele colocou uma mulher, a primeira a ocupar a função que tem como objetivo zelar pela defesa da União. Grace Maria Mendonça foi nomeada hoje, após exoneração de Fábio, que não concordou com a decisão.

A notícia foi recebida com surpresa pelo advogado que defendeu Dilma, já que ele foi informado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e também por meio do Diário Oficial da União, em sua edição extra, na tarde desta sexta.

Publicidade
Publicidade

Quem também precisou ser notificado por meio do veículo de imprensa oficial da União, nesta semana, foi o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), que "sumiu" próximo ao seu julgamento que pode levar à sua cassação.

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República respondeu à imprensa sobre o ocorrido e confirmou a exoneração do advogado. De acordo com os jornalistas que trabalham para o Chefe do Executivo, o próprio presidente agradeceu ao profissional antes de dispensá-lo e disse que Fábio prestou "relevantes serviços".

Fábio Osório, há alguns dias, disse que seria "fritado" por Padilha, por conta de um conflito gerado entre ele e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que teve seu estatuto mudado pelo novo Presidente.

Nova advogada

Quem assumiu o cargo vago foi a doutora Grace Maria Fernandes Mendonça, formada em Direito e com ampla experiência jurídica.

Publicidade

Porém, a nomeação direta foi parar, como tema de discussão, na Associação Nacional dos Advogados Públicos Federais (Anafe), já que Temer teria ignorado a lista tríplice de nomes para o cargo.

Por meio de nota, a instituição disse que "manifesta profunda indignação com a forma como se deu a escolha dos últimos dirigentes da AGU, que ignorou as listas tríplices apresentadas à ex-presidente da República Dilma Rousseff e, posteriormente, ao presidente, #Michel Temer". A associação lembrou que, desde 2003, os chefes da Procuradoria-Geral da União chegam ao cargo por meio da lista e, assim, foi adotado o mesmo procedimento para a AGU. #Dilma Rousseff #Impeachment