A ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), uma vez disse que em eleição vale tudo, até "fazer o diabo". A fala dela, sempre lembrada e criticada, acaba realmente se praticando no dia-a-dia de candidatos por todo o Brasil. Atualmente, estamos no período eleitoral para definir os novos prefeitos e vereadores das cidades brasileiras. A falta de otimismo, o impeachment de Dilma e a crise econômica mostram que tudo tem ficado mais concorrido. Isso porque, em inúmeras pesquisas, os eleitores meio que estão a escolher o "tanto faz".

No Rio de Janeiro, por exemplo, um candidato aparece com cerca de 30% dos votos nas pesquisas do Datafolha.

Publicidade
Publicidade

Seu nome é Marcelo Crivella, Senador pelo PRB e bispo da Igreja Universal do Reino de Deus. Cinco adversários de Crivella aparecem tecnicamente empatados. Todos com cerca de 9%. Mesmo apoiado pelo atual prefeito, Eduardo Paes, Pedro Paulo, do PMDB, está com dificuldades para subir e, nas últimas três pesquisas, apareceu com 8 e 9%, exibindo que tudo pode acontecer até o dia 02 de outubro, fazendo os debates ficarem ainda mais quentes e especiais.

Enquanto diversos nomes brigam para ver quem disputará com Crivella o segundo turno, o bispo tem sofrido forte rejeição. Na eleição passada, ele chegou a tentar o cargo de governador. Pezão, que começou as pesquisas com menos de 10%, acabou vencendo o evangélico no segundo turno. Bastou usar a famosa tática da guerra religiosa e os votos foram embora.

Publicidade

Temendo que o mesmo possa se repetir, Marcelo tem apelado para tudo. Durante uma entrevista dada à TV Globo, ele apareceu ao lado de um 'Pai de Santo'. Entidades vinculadas às religiões africanas estão criticando a atitude do político, que garante não misturar política com religião.

Nesta terça-feira, 20, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, já havia convocado uma coletiva para criticar o candidato. Santinhos com o rosto do arcebispo ao lado do bispo estão sendo distribuídos na cidade. O episódio está sendo chamado de grave equívoco e Crivella de aproveitador.  #Eleições