Manuela D'Ávila, do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), foi uma das mais jovens mulheres a chegar ao cargo de deputada estadual, no Rio Grande do Sul. Aos 35 anos, ela era tida como uma das favoritas para disputar o cargo de prefeita da capital, Porto Alegre. No entanto, acabou surpreendendo e desistindo da chance de chegar ao poder de uma das cidades mais importantes do país. O motivo da desistência não é de agora. Sua filha, Laura, tem um ano, e, por ela, Manuela disse não ao próprio partido. Nesta sexta-feira, 09, D'Ávida conversou com o UOL e explicou os motivos que a levaram a tomar tal decisão. Um dos principais é a amamentação. 

Em uma corrida eleitoral são naturais os holofotes.

Publicidade
Publicidade

A menina acabaria ficando o tempo todo exposta, inclusive, em um momento comum para os bebês e crianças pequenas, a amamentação. "Não quero virar um fato político toda vez que tiro meu peito para fora para amamentar", disse ela à reportagem. Ainda ao UOL, a deputada estadual reiterou que, mesmo sendo famosa em todo o país, o momento agora é de cuidar da filha. Ela lembrou que, no cargo de deputada, consegue ser dona da agenda, mas ao disputar uma prefeitura tão importante, isso não seria possível. Além disso, caso fosse eleita, necessitaria ficar ainda menos tempo com a família. 

A representante do Partido Comunista falou das preocupações de mãe com a reportagem, citando que, na data da entrevista, Laura estaria com febre. Por isso, ela teve tempo de ir para uma reunião na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, voltar para casa e, mais tarde, participar de outra reunião.

Publicidade

Outro assunto que ganhou espaço na entrevista são os processos que move, motivados por conta da Lei Maria da Penha. Conhecida por falas contundentes, a deputada rapidamente ganhou espaço nacional pela boa argumentação, baixa idade e também pela beleza. 

Lembrando que o pleito municipal deste ano acontece no dia 02 de outubro. Nessa data, os brasileiros poderão votar para os cargos de vereadores e prefeito. Caso um candidato a prefeito não tenha mais do que 50% dos votos, a eleição para este cargo enfrentará o segundo turno, realizado no último domingo do mesmo mês. #Eleições #Política