O ex-presidente Fernando Collor de Mello publicou neste domingo, 04, um artigo na 'Folha de São Paulo' em que fez críticas ao Senado Federal. Ele que sofreu um processo de impeachment em 1992, não gostou dos rumos tomados do Congresso Nacional no julgamento da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Ele reclamou da lei ter sido vista de outra maneira no caso da petista e disse que hoje os Senadores deixaram claro que o Brasil não tem mais uma constituição, ou que pelo menos essa só é usada quando existem interesses de um grupo ou outro. 

A diferença principal entre os dois julgamentos é que #Collor acabou renunciando.

Publicidade
Publicidade

No caso de renúncia, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o político perde os direitos para se eleger a qualquer outro cargo público em oito anos.  No caso de Dilma, a votação dela estranhamente foi separada. Na primeira, os Senadores votaram por 61 votos a 20 pela deposição. No entanto, na mesma data, em 31 de agosto, os mesmos Senadores optaram para que a petista pudesse voltar a concorrer em breve à uma nova eleição ou cargo. Com isso, ela pode ser convidada para ser Ministra ou secretária de governo no país. 

Essa não foi a única questão lembrada por Collor. O processo contra ela foi bem mais longo do que o da companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durou cerca de um mês, contra nove meses do que o que ocorreu contra a petista. Mais tarde, no Supremo, Collor acabou provando que não cometeu nenhum crime.

Publicidade

Àquela altura já era tarde. Ele precisou esperar oito anos e mais tarde conseguiu se consagrar Senador novamente. 

A renúncia, para muitos analistas, ajudou Collor a apaziguar a própria imagem. Como foi tudo muito rápido, muita gente nem lembrou que ele sofreu o impeachment, fazendo com que ele vencesse a primeira eleição que concorreu. O político já venceu duas vezes uma cadeira no Congresso Nacional desde a própria deposição. Cada cargo dura oito anos. Ele não pretende concorrer novamente à presidência. Pelo menos é o que diz.  #Dilma Rousseff