O primeiro dia pós-#Impeachment, via de regra, deveria ter sido tranquilo e calmo nos corredores e nas salas do #Senado Federal. Mas a expectativa de todos não aconteceu, graças ao senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que foi o único dos senadores a manter sua agenda no primeiro dia após a agitação e o tumulto da votação final do processo de impeachment. Cristovam até tentou continuar os trabalhos na Comissão de Educação, a qual preside no Senado, mas se viu obrigado a encerrar a sessão devido a um tumulto generalizado de professores e alunos do Distrito Federal (simpatizantes de Dilma Rousseff) que invadiram a Comissão empunhando cartazes e fazendo um coro inflamado de “golpista, golpista, golpista” e o tradicional canto: "Golpistas, fascistas, não passarão!".

Publicidade
Publicidade

“De forma repentina, comecei a ouvir os gritos de golpista. Fiquei nove anos fora do Brasil para não conviver com golpistas. Não desejo que ninguém conviva com golpistas.”, disse o senador a jornalistas. Cristovam também afirmou que as pessoas que o hostilizaram deviam ter coragem de se exilar, assim como ele o fez quando chegou a conclusão que estava se submetendo a um regime golpista. Na manhã de hoje, ao final de seu discurso, o senador disse que a sessão do Senado foi encerrada em homenagem a todos os que o hostilizavam.

Assista ao vídeo do tumulto generalizado que tomou conta da Comissão de Educação do Senado na manhã dessa sexta-feira.

Cristovam Buarque é odiado porque já foi ministro de Lula

Cristovam Buarque, após um longo período, se declarando publicamente ser um “senador indeciso”.

Publicidade

Na votação final do impeachment, escolheu votar a favor do afastamento definitivo de Dilma Rousseff da presidência. A decisão de Cristovam causou grande repercussão entre simpatizantes do PT, já que o senador já foi ministro da educação quando Luiz Inácio Lula da Silva era presidente. Por esse motivo, Cristovam é visto como um grande “traidor”. Por diversas vezes tem sido alvo de hostilidades de manifestantes que o perseguem tanto dentro como fora do Senado. #Manifestação