Nesta semana, depois de vários meses, Eduardo Cunha, do PMDB, foi cassado pelo Conselho de Ética da Câmara dos deputados. Após omitir que tinha contas no exterior, o polêmico ex-deputado acabou sendo cassado por 450 votos, com apenas dez companheiros contra sua saída do cargo. Mal acabou o processo contra Cunha e outro já se inicia. Dessa vez, o alvo do Conselho de Ética da casa dos parlamentares é o deputado federal Jean Wyllys, eleito pelo PSOL do Rio de Janeiro. 

Em abril deste ano, durante a sessão na câmara, que definiu o prosseguimento do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), o vencedor de uma das edições do 'Big Brother Brasil' cuspiu em um dos seus maiores rivais, o parlamentar Jair Bolsonaro, do PSC carioca.

Publicidade
Publicidade

Na época, Jean disse que só cuspiu em Jair porque ele teria feito comentários homofóbicos contra sua pessoa. Vestindo um cachecol vermelho no pescoço, Wyllys chegou a ser comparada ao bruxinho Harry Potter do cinema de forma pejorativa. No entanto, é o representante do PSOL que agora está no olho do furacão.

De acordo com informações da coluna Radar, do site da 'Revista Veja', em reportagem publicada nesta quarta-feira, 14, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, passada a cassação e o processo doloroso e demorado contra Eduardo Cunha, não queria mais problemas para a casa, que pudessem, novamente, chamar a atenção para coisas que não fossem as propostas dos deputados.  Em reunião da Mesa Diretora feita nesta terça-feira, 13, Rodrigo Maia teria feito um apelo aos colegas, solicitando que o processo que quer punir Jean não seguisse em frente. 

O objetivo do sucessor de Eduardo Cunha era que o processo, que está na corregedoria, virasse apenas uma advertência a Jean.

Publicidade

Outra forma de punição, mais branda, manifestada por Maia foi a censura. Assim, o processo contra Wyllys seria censurado. Os colegas não quiseram e agora tudo vai seguir em frente. É bom lembrar que, na pior das hipóteses, para o deputado, é claro, o processo pode terminar na cassação do mandato dele.  #Jean Wyllys