O agente Newton Ishii, conhecido como ‘japonês da federal’, está novamente à ativa. De acordo com informações do G1, o homem que virou um símbolo da '#Lava Jato', principal operação investigativa contra a corrupção no Brasil, está trabalhando usando tornozeleira eletrônica. Ele foi condenado a quatro anos e dois meses por facilitar a entrada de contrabando no país. Agora Newton poderá levar presos políticos e empresários novamente para depôr na Operação comandada pelo juiz Sérgio Moro. Na época de sua condenação, muitas piadas chegaram a ser feitas relativas ao assunto. O "japonês da federal", no entanto, já estava trabalhando desde segunda-feira, 05, sendo flagrado por fotógrafos. 

Decisão polêmica está gerando comentários

Ishii chegou a ser chefe do setor de carceragem da Polícia Federal em Curitiba.

Publicidade
Publicidade

Entre os presos famosos que ele conduziu até o local, estão o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo pessoal do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, e o diretor-presidente da OAS, Léo Pinheiro. Em explicações enviadas ao UOL, a PF explicou que o "japonês da federal" apenas estava cobrindo um funcionário da corporação que faltou. No entanto, a entidade explica que o agente está realizando mais atividades internas revelou que a ordem judicial contra ele não prevê que tipo de trabalho ele pode ou não exercer. Por isso, eventualmente, Ishii pode realizar ações externas. 

O policial, no entanto, não pode deixar a cidade de Curitiba sem autorização. Além disso, todos os dias da semana ele precisa estar em casa entre 23h e 5h. Já aos fins de semana, a saída da residência é proibida.

Publicidade

Esse tipo de monitoramento continua pelo menos até o mês que vem, quando essa pena deve ser revista. 

Lula se nega a falar com Moro

Já há até quem aposte que o "japonês da federal" pode viver o seu grande momento ao conduzir Lula para uma conversa com o juiz federal Sérgio Moro. No entanto, o petista tem evitado ao máximo esse encontro, argumentando que o magistrado não teria qualquer competência para julgá-lo.  #SérgioMoro