Um pedido do Ministério Público do estado do #Rio de Janeiro fez com que o Tribunal de Justiça do Rio, por determinação da juíza Marianna Medina Teixeira, tornasse os bens do senador Lindbergh Faria (PT-RJ) indisponíveis. O senador é acusado de contratar empresas para coleta de lixo de forma irregular, no município de Nova Iguaçu, no Rio. 

Mais oito pessoas e três empresas estão envolvidas com a fraude. Sem licitação, uma empresa foi contratada pela Empresa Municipal de Limpeza Urbana de Nova Iguaçu (Emlurb) para agir de forma emergencial na cidade. O acordo foi que a empresa trabalhasse por determinados seis meses com um contrato avaliado em R$ 2.356.656,85, porém, quando se completou o tempo de contratação, o valor já estaria em R$ 14.139.941,10.

Publicidade
Publicidade

Isso aconteceu no ano de 2009.

O Ministério Público avaliou que foi durante a gestão de Lidbergh Faria que montaram um esquema para favorecer uma empresa, o ex-prefeito da cidade e dois assessores também estariam envolvidos. 

Ainda, em 2009, pelo mesmo motivo citado como emergencial, duas outras empresas foram contratadas, Lipa e VPAR, o que fez com que a prefeitura de Nova Iguaçu retirasse dos cofres públicos, o valor de R$ 40.229.887,62. 

O Ministério Público Federal disse, em nota, que não havia motivo para que Lindbergh contratasse desvairadamente empresas para atuar em situações emergenciais, pois quando assumiu o cargo em 2005, Lindbergh teria tempo suficiente para fazer um planejamento "realizar o devido procedimento licitatório prévio à renovação dos contratos".

O Ministério também aponta que isso demonstra uma má gestão, falta de planejamento, e inatividade da própria administração pública. 

A juíza Marianna Medina Teixeira avaliou que os valores apresentados são expressivos e que comprometem o patrimônio público, ela enfatiza que a decisão tomada sem fundamentação.

Publicidade

A juíza determinou que como medida, impossibilita o uso dos bens móveis e imóveis do senador Lindbergh Faria, de valor até o limite total dos valores dos contratos assinados. O senador não foi encontrado para prestar esclarecimentos.  #Lindbergh Farias #Corrupção