#Dilma Rousseff garantiu, na sua primeira entrevista à televisão brasileira após ter sido deposta, que #Lula não vai ser preso por considerar que os responsáveis do #Lava Jato não são burros. Durante a entrevista ao canal “TVE Bahia”, a ex-Presidente falou abertamente sobre vários temas polêmicos, incluindo os rumores que revelavam que ela tinha mandado matar o seu cachorro. “A estratégia seria inviabilizá-lo para 2018”, garantiu a petista, que considera que só assim o “golpe” estaria finalizado.

Após ter defendido seu posicionamento no Senado, durante o Julgamento, onde foi oficialmente deposta, Dilma preferiu se ausentar um pouco das pressões mediáticas diárias, tendo apenas garantido que iria fazer de tudo para provar que todo esse processo tinha sido um “golpe de Estado”.

Publicidade
Publicidade

Contudo, Dilma já veio a público defender seu amigo Lula, que também está atravessando uma das piores fases da sua vida, tendo sido formalmente acusado de estar ligado a esquemas de corrupção pelo Lava Jato.

Ainda assim, e apesar da situação crítica que o petista atravessa, a verdade é que Dilma garante publicamente que ele nunca será preso, pois isso faria com que Lula rapidamente se transformasse “de uma pessoa injustiçada para um herói”. Em entrevista ao canal “TVE Bahia”, Dilma explicou que o verdadeiro objetivo do Lava Jato é fazer com que Lula não tenha qualquer tipo de possibilidades de se poder candidatar em 2018, conseguindo assim completar o golpe que teria começado com o processo da destituição do seu cargo de Presidente.

Na mesma entrevista, a petista revelou que, durante todo esse enorme processo de impeachment, onde foram feitas duras acusações à ex-presidente, o que mais custou de ouvir e de ler a Dilma foi sem dúvida os rumores de que ela tinha abandonado ou então matado o seu cachorro.

Publicidade

Tal como já tinha sido adiantado através de uma nota à imprensa, o Nego, que estava na família de Dilma há muitos anos, sofria de uma doença grave, sendo que a sua morte assistida teria sido sugerida pelos veterinários nos últimos meses fazendo assim que o sofrimento do animal parasse.